• 06
  • Set
  • 41
O processo de recaída, dentro da visão Cognitivo Comportamental
Autor

O processo de recaída, dentro da visão Cognitivo Comportamental

O Processo de recaída, dentro da visão Cognitivo Comportamental

Dentro do processo clínico terapêutico realizado na Clínica de Recuperação  Especializada (C-TES), o paciente dependente de substâncias psicoativas, é levado a um nível máximo de conscientização, para que o mesmo possa desenvolver auto eficácia, examinar seus pensamentos automáticos disfuncionais, trabalhar suas crenças, e de tal forma obter o controle e estabilidade de suas emoções, para que seus comportamentos sejam mais adaptativos e menos destrutivos.


                Entretanto, quando o paciente não desenvolve ferramentas e/ou habilidades comportamentais, ou seja, não desenvolve resposta de enfrentamento satisfatória, o indivíduo não aumenta o seu repertório comportamental, suas crenças disfuncionais permanecem, suas emoções não são controladas tão pouco modificadas, seu comportamento tende a ser autodestrutivo, utiliza como mecanismo de fuga de uma situação ativadora o uso da substância química, de tal forma, quando há a recaída o indivíduo naturalmente tende a criar novas crenças ou a retomar as crenças já adquiridas, tal como, crenças de desvalor (acredita piamente que é uma pessoa inaceitável); crenças de desamparo (sou incompetente) e crenças de desamor (serei rejeitado). Todo esse esquema faz com que o indivíduo mergulhe em crenças disfuncionais, e de tal modo começa a acreditar que nada irá mudar, ou seja, não existe motivação para a mudança, e de tal forma a substância química o “satisfaz” traz o alivio imediato, que em pouco tempo tornar-se-á potencializador para novos problemas, no âmbito pessoal, emocional, familiar, financeiro, estrutural, entre outros.

 

                Portanto, dentro da visão cognitiva comportamental, se torna importantíssimo que o indivíduo identifique seus pensamentos automáticos disfuncionais (negativos, irrealistas), modifique por novos pensamentos mais adaptativos, e no papel de terapeuta auxiliar o indivíduo a perceber que mudando a forma que o mesmo vê e pensa as situações, suas emoções também mudam, automaticamente o seu comportamento é alterado por um comportamento mais plausível, aliando um treinamento de habilidades sociais, todo esse movimento afim de que aumente a sua qualidade de vida, obtendo assim um vida satisfatória sem o uso de drogas.




Segurança e transparência a mais de 15 anos. Venha para a Ctes, Transforme sua vida!